Rick's Corner
Assine minha newsletter
* = campo obrigatório

powered by MailChimp!
Rick Verreschi | Evitando Leveduras e Fermentos…e outros alimentos (Food IgG Antibody Test)
1045
single,single-post,postid-1045,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,

Evitando Leveduras e Fermentos…e outros alimentos (Food IgG Antibody Test)

Se os testes FoodDetective®, GenArrayt®, IMUMPRO ou Elisa 109® mostrarem uma reação para fermentos biológicos ou leveduras (para pães / bebidas / alimentos), é recomendado que todo e qualquer produto que contenha leveduras e/ou fermentos sejam evitados por, pelo menos, três meses. Também é recomendado evitar qualquer tipo de leveduras e fermentos, como mofo, fungos, queijos “mofados” e outras formas de fungos nos seus alimentos e ambientes.

Nota: fermento biológico e leveduras são duas cepas do mesmo organismo e é altamente provável que se você reagiu para um tipo, reaja para o outro.

De todas as comidas para evitar, leveduras e fermentos são provavelmente as mais difíceis, pois estão escondidas em muitos alimentos processados. É importante planejar, ler cuidadosamente os rótulos e ter muita força de vontade antes de começar uma dieta livre de leveduras e fermentos.

Leveduras vivas são usadas na preparação e no processamento de comidas, onde este converte o açúcar em dióxido de carbono e álcool. É uma boa fonte de vitamina B, mas essa vitamina também pode ser obtida em grãos integrais, nozes e vegetais de folhas verdes escuras. Por ter duas condições auto-imunes, eu sigo desde 2012 uma dieta vegetariana restrita livre de leveduras e fermentos e evito todas as suas fontes naturais, como também as adicionadas à comida. Seguir uma dieta com baixo ou quase nenhum açúcar adicionado também fornece benefícios pois previne o crescimento de células de leveduras dentro do sistema digestivo.

ALGUNS ALIMENTOS PARA SE EVITAR:

  • Fermento biológico, Levedura para bebidas
  • Pães, massas de pizza, pastelarias (ex: croissants) e outros bolos e pães com fermento biológico ou fresco.
  • Alguns pães achatados (ex: pão pitta e pão naan) contém uma pequena quantidade de fermento que permite com que cresçam e produzam “bolsões” quando assados.
  • Alguns pães de massa azeda e Pumpernickel (pão alemão) usam uma base que inclui fermento e uma cultura de lactobacilos.
  • Extrato de levedura como Marmite, Vegemite, Bovril, cubos de caldo e molhos prontos.
  • Comidas e bebidas fermentadas, como cervejas, vinhos, cidras, licores, cerveja de gengibre, vinagre, molho de soja e molhos.
  • Tempeh, miso e tamari – temperos japoneses e indonésios feitos através da fermentação de grãos de soja.
  • Comidas que contém vinagre, como picles, conservas, molho de saladas, catchup, maionese, molho Inglês, raiz-forte e molho de pimenta.
  • Cogumelos, molho de cogumelos e trufas contém organismos intimamente relacionados com leveduras.
  • Carne, peixe e aves secas, defumadas ou em salmoura.
  • Toucinho de porco curado.
  • Amendoim e produtos derivados.
  • Pistaches.
  • Alimentos amadurecidos, especialmente queijos muito amadurecidos como Brie e Camembert. (eu cortaria qualquer tipo de produtos de origem animal)
  • Leite maltado, bebidas maltadas e cervejas de gengibre feitas em casa.
  • Proteína vegetal texturizada e tofu.
  • Frutas secas (figos, tâmaras, uvas passas, damascos, etc).
  • Frutas muito amadurecidas, qualquer fruta sem casca.
  • Sucos de frutas – apenas os espremidos na hora são livres de leveduras.
  • Proteínas hidrolisadas, vegetais hidrolisados ou fermentos – cheque os ingredientes.
  • Ácido cítrico e glutamato monossódico (Ajinomoto) podem ser derivados de leveduras.
  • Alguns suplementos nutricionais – cheque os ingredientes.

Em minha opinião e vivência, as dietas veganas sem glúten são extremamente eficazes para o tratamento de condições articulares e de pele como a Psoríase e Artrite Psoriasica (assim como outras condições reumatológicas auto-imunes) pois ora eliminam, ora respeitam muitos dos ítens da lista acima. Sugiro sempre que se faça e trace o IgG completo e acompanhe em marcação cerrada com um bom nutricionista para averiguar a presença conjunta da intolerância ao trigo e/ou outros alimentos que possam afetar ou exacerbar estas condições. Mas não adianta, é o dia-a-dia e os “ajustes finos” na dieta que farão a diferença no final.
Em meu caso, tenho o trigo, o fermento e a levedura (além de uma outra penca de alimentos) testados com IgG em níveis altos de intolerância, portanto foi e ainda é, uma luta diária substituir todos os alimentos que podem conter estes elementos. A boa notícia é que retirando tais alimentos você melhora. :D

Aqui em Sampa conheço / recomendo dois locais que fazem o IgG (de maneira séria, por amostra de sangue). Porém não recomendo fazer os testes sem uma estratégia nutricional profissional seja por endocrinologista, nutrólogo, clínico ou nutricionista. E fuja do profissional que insiste em te falar que alimentação não pode melhorar ou até curar a sua situação clínica! O motivo? Simples, você é reflexo daquilo que você come – o seu combustível base – sendo assim, comendo veneno, mesmo que seja “só um pouquinho” te envenena do mesmo jeito. A única diferença é que pode demorar mais ou menos para os efeitos aparecerem. E o que é “veneno” alimentar? Neste ponto prefiro não levantar bandeiras sobre modelos dietas, mas uso um princípio básico para discernir percentualmente nossa ingesta. Se até 50% da sua alimentação consiste em abrir embalagens, vidros e pacotes para se alimentar e/ou consome produtos que você não faz a menor ideia do que está listado no rótulo, pode ter certeza que você está se envenenando. O mesmo vale para quem come “na rua”. Se você costuma ir a restaurantes que você nunca sequer visitou a cozinha, pode ter certeza que até o “saudável” vai ser uma surpresa.

Os laboratórios são:

- LABORATÓRIO PATHOS
- INSTITUTO DE MICROECOLOGIA

Não sou médico nem profissional de saúde e este post é um relato pessoal daquilo que eu vivencio. Tem cunho informativo apenas e não recomendo em hipótese alguma uma tomada de decisão baseada somente no exposto aqui. Todavia, se eu puder ajudar em algo ou responder a alguma dúvida, por favor mantenham contato aqui pelo site ou utilizando os comentários abaixo ;-)

Que o Senhor Jesus dê sabedoria para você fazer a sua escolha!

Abraços,

Rick

  • Vitoria Zen

    Olá! Fiquei na duvida sobre “Frutas muito amadurecidas, qualquer fruta sem casca”
    Por ex…seria qualquer fruta doce (tipo banana) ou apenas se ela estiver muito madura?
    E a segunda parte quer dizer que não pode se a fruta já estiver descascada antes, é isso? Obrigada!!

    • http://verreschi.com rickverreschi

      Oi Vitoria, tudo bem? Sim, o princípio é o da decomposição do alimento. Assim como acontece com a “cura” dos queijos (gorgonzola, etc). Todo alimento “maduro” está em constante processo de decomposição, isto é, sob a ação de fungos, bactérias e bolores presentes no ar / meio ambiente. Existe um limite e a fruta madura, por seu próprio estado, está mais propensa a conter mais microorganismos vivos de decomposição do que uma recém colhida. Isso é fermentação. O mesmo acontece com frutas descascadas e não comidas no ato. Elas ficam expostas ao ar e consequentemente sob ação destes mesmos microorganismos. De qualquer forma, como citei, o ambiente ideal para se ter certeza se você tem ou não intolerância tardia, é fazer o IgG com um painel para vários alimentos. O teste vai te dar subsídios suficientes e precisos para evitar, retirar ou rotacionar os alimentos que lhe causam sintomas. Espero ter esclarecido. Abraço.

  • Creare Amore

    Olá vc tem um facebook ou grupo de troca de informações?

  • Lourdes Maria

    Oi, Rick. Fiz o teste para alergia tardia com coleta de saliva. O IgG acusou índice elevado para alguns alimentos, como: feijões, amendoim, castanha Pará, tomate, ovo e leveduras/fermentos. Restringiu bastante minha dieta, pois adoro feijão com arroz. Ainda não conversei com o meu médico (Homeopata). Será que posso usar o kefir?